quinta-feira, 7 de junho de 2012

Escrito pelo pai

Método Estivill – Diário do Ben por um pai desesperado (de sono).



Antes de mais gostaria de prevenir que este post é bastante (muito) longo, uma vez que se trata do relato dos acontecimentos nos últimos 10 dias.


(28 de Maio) 1º dia: regresso de Portugal. A exaustão reina porque o Ben não dorme de noite. Acorda várias vezes por noite e chega a estar acordado 2h seguidas, nas quais temos que estar ao pé dele senão berra. Hoje vamos iniciar o método Estivill para tentar pôr termo a isto.


1ª noite: o Ben acordou como de costume por volta das 1.30h da manhã com a sua birra. Com muita força mas pouco método não cedemos totalmente e o berreiro durou cerca de 3h. Fomos ao quarto dele umas dezenas de vezes e saímos. A exaustão eventualmente levou a melhor e ele adormeceu passadas 2h. Acordou de manhã às 7.30h como de costume, mas mais rouco.


2ª noite: a mãe tomou conta das operações esta noite. A birra veio à hora do costume mas durou apenas meia hora, até que adormeceu. Acordou às 9h.


3ª noite: de novo a mãe no comando das operações. O berreiro foi maior e o método ficou na casa de banho. Dois biberões de água dados e muitas pancadinhas nas costas. Acordou de manhã às 8h. O pai descobriu que a mãe na noite anterior também lhe deu biberão, daí ele ter dormido tão bem.


4º dia: discussão entre mãe e pai motivada pela falta de motivação e “coragem” da mãe em implementar o método como manda o protocolo de forma a pelo menos tentar a sério resolver este “problema”. O pai está de folga 5 dias. O pai assume o comando das operações. Inicia-se o Método Estivill em condições.


1ª noite (Estivill a sério): pai no comando. O Ben acordou à hora do costume 1.30h da manhã. 1 minuto depois o pai foi lá e reconfortou-o, tapou-o, deu chupeta e fraldinha, três festinhas e saiu. O Ben berrou. 3 minutos depois o pai repetiu a coisa. O Ben berrou. 5 minutos depois o pai repetiu. O Ben berrou. Mais 5 minutos e repetiu. O Ben berrou, mas sossegou ao fim de 2 minutos. Passados 5 minutos berrou de novo e voltou-se a repetir. Às 2.30h o Ben desistiu e adormeceu. Acordou às 7h e a mãe deu o leite da manhã. Dormiu até às 9.30h.


2ª noite: O Ben acordou à hora do costume. Após duas visitas aos 3 e 5 minutos de choro o Ben sossegou e adormeceu. Às 4h acordou e iniciou nova birra. As visitas repetiram-se aos 3, 5 e 7 minutos de choro durante 1h. Por volta das 5h o Ben adormeceu e dormiu até às 8h. Mamou o leite da manhã e não ficou porque a Mia começou aos berros.


3ª noite: O Ben foi dormir às 20h. Mamou o leite da noite às 23.30h e ficou sereno. Acordou às 2h, após 1 minuto o pai foi lá e pôs a chupeta, tapou-o e deu-lhe a fralda. Ele ficou. Às 4h repetiu-se o mesmo e ele ficou logo. Acordou às 7h, a mãe deu o leite da manhã e ele ficou. Ainda dorme (são 10h neste momento). O pai e a mãe começam a ver a luz no fundo do túnel.


4ª noite: Costuma-se dizer que depois da tempestade vem a bonança. Neste caso, depois da bonança de ontem veio a tempestade! O Ben acordou como normal por volta da 1h e depois de por a chupeta e aconchegar ficou. O mesmo se repetiu às 2h. Sem problemas até aí. Acordou de novo às 3h e foi até às 5h a chorar. O pai não cedeu e manteve a frieza e as visitas de aconchegamento aos minutos estipulados, mas hoje só após duas horas é que ele desistiu. Para complementar acordou às 7h e não dormiu mais.


5ª noite: O Ben foi para a cama já irrequieto. Acordou duas vezes mesmo antes de nos deitarmos. Acordou depois às 2.30h e esteve acordado e a chorar até às 5.30h. Só sossegou com um biberão de leite às 5.30h. O desespero volta a tomar conta dos pais. A motivação foi-se.


6ª noite: O Ben foi pra cama à hora do costume. Acordou às 00.30h e ficou sossegado após uma visita de aconchego. Acordou depois às 3.30h e após três visitas espaçadas por 5min sem sucesso, resolvemos (baseados no terror da ultima noite) dar um biberão de leite. Ficou sossegado até às 7.30h. Com base nestas ultimas duas noites os pais decidiram que se o biberão a meio da noite o sossega, e visto que ele já se desabituou de nos ter lá com ele pra adormecer (que era o mais importante) vamos continuar a dar o biberão a meio da noite. Desculpa Estivill!




7 comentários:

T zero disse...

Se com leitinho o rapaz se fica, parabéns por terem encontrado o vosso método.
O meu minorca agora está melhor. Tem que adormecer comigo deitada a seu lado, mas fica-se rapidamente e (por enquanto) acabaram-se as fitas porque tem medo de alguma coisa que está no tecto.
Se dorme nem que seja 30 minutos à tarde, à noite só adormece à meia-noite (com sorte!)
Se não faz sesta, às 21:30, depois do ritual "veste pijama, lava dentinhos e dá 3 beijinhos de boa-noite ao pai (repare-se que tem que dar e receber 3 beijinhos ou nada feito)" apaga em 5 minutos, encostado ao seu Pantufa.

Eva Prata disse...

Se a solução está em beber o leite a meio da noite,por que não??? Pelo menos,conseguem todos ter mais algum descanso!
A Vanda,durante o dia e até que chegue a 1 da manhã( altura em que bebe o leite da noite), faz sonos muito pequeninos ( é raro dormir mais de 30 minutos),porém a partir daí, por norma,dorme cerca de 9 horas.
Continua a dormir no nosso quarto, mas felizmente na cama dela. Adormece rápido, quando nos sente já também no quarto, caso contrário, vão-se sucedendo várias idas lá...
Assim dorme ela: de chupeta na boca, a ouvir música clássica na sua bonequita Chicco, ou a agarrar o seu Winnie the Pooh! ;)

Dreia disse...

Adorei o post e ensina muito!
O "problema" do Vasco também é fome... por isso seja o que Deus quiser!

Aline disse...

O que eu me ri! Claro que os métodos, sejam eles quais forem, devem ser levados a sério mas com bom.-senso. Não vejo qual o mal de darem leite a meio da noite, se isso o aconchega.
Devia ter usado esse método, pois com o Martim, ainda foi pior: não chegava mas dormia connosco. Depois com a mudança de casa, "assumiu que ia para um quarto novo, um espaço diferente e a coisa deu-se naturalmente. Mas com 3 anos, ainda precisa que eu o adormeça. Acho que há coisas piores. Se bem que vou iniciar esse processo daqui a pouco (já que acabou de se desfraldar há 1 mês) e pensei que era muita mudança. Para mim, o desfralde foi um trauma, tal como é, provavelmente esta fase do Ben. Muita persistência, doseada de disciplina e afeto: é tudo o que faz falta.
Beijinhos grandes e boa sorte.

Aline disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Aline disse...

queria dizer: não chorava mas dormia connosco.

sandra santos disse...

por acaso comprei o metodo estevil.. mas quem o leu foi a criatura por causa do qual foi comprado,graças a deus nunca precisei e usar,ela desede o primeiro mes que dorme a noite toda apesar de haver noites em que chama por mim e pede o babao...