sexta-feira, 23 de março de 2012

Quando sentimos que estamos a falhar

Não há pior sentimento. Sentir que estamos a falhar com um filho e não ter a força que deviamos para mudar. É assim que me tenho sentido com a Mia dia após dia. É verdade que ando com um cansaço extremo, é verdade que ando tipo robot, é verdade que a minha cabeça anda num reboliço...É também verdade que a Mia anda numa fase um bocadinho complicada no que toca a obediência. Anda com atitudes que não tinha há umas semanas, atitudes para chamar à atenção. E tudo isto é uma bola de neve!! O cansaço traz impaciência e arrasta uma montanha de coisas que não estão directamente relacionadas com os filhos, mas que se reflectem noutros aspectos da nossa vida, logo caem também em cima dos filhos...E quando não estamos a 100% é impossivel dar os 200% que devíamos aos filhos. E eu sinto-me culpada. Muito culpada. Porque desde sempre disse que poderia falhar em muita coisa na vida mas não no que toca aos meus filhos. E tou a falhar. E não tou a ser capaz de dar a volta por cima.

13 comentários:

Pinguina disse...

Só daqui a muito anos é que saberás se falhaste ou não, até lá ainda terás tempo e forças para dar a volta por cima! Eu acho que sei do que falas, a Joana também está numa fase de não obediência e isso é muito desgastante. Muitas vezes já não sei o que lhe fazer, mas que seja isso, apenas uma fase... Força e beijinhos

Bombom disse...

Esta é uma fase normal no desenvolvimento das crianças. Manifesta-se geralmente na idade da Escola aos 5 ou 6 anos. Talvez a Mia seja mais precoce e tenha atingido este estádio um pouco mais cedo. É a idade em que eles medem forças e acham que também podem "mandar". É importante que saibas exigir que ela cumpra as regras estabelecidas. E também é importante o diálogo e a atenção que lhe dispensam, tanto por parte da Mãe como do Pai. O diálogo e a compreensão mas sem cedências, podem favorecer o clima de não agressividade na Mia. Bjs. Bombom

Anónimo disse...

Eu acredito mais na genetica q na boa ou falta de educação.
E isto pq já vi crianças serem educadas com esmero ( hoje em dia é a grande moda)mas o gene do "bairro social" estar ali e n ha volta a dar.. e ainda mais vi o contrario, crianças educadas sem frescuras, sem competividades, sem preconceitos idiotas e serem crianças maravilhosas , é a tal coisa ser bem nascido faz toda a diferença
..agora em relação ao comportamento , ninguem pode esperar duma criança até aos 5, 6 anos um sossego pk só mesmo se n for saudavel , mas atitudes broncas muito sinceramente só vejo em crianças foleiras e eu trabalho há 15 anos com elas ( n é no ensino)

Kiki disse...

Querida, também passei por isso... O cansaço é o nosso grande inimigo! E depois elas fazem uma asneira e nós rebentamos e reagimos com tudo o que tínhamos na garganta... E gritamos demais... E a culpa não é delas e não há nada pior do que ver lágrimas a cair da cara delas por causa de um grito estúpido e exagerado que saiu da nossa boca... E entramos em espiral...
Tens de parar e respirar!
O nascimento do irmão fez com que exigisses mais dela! Porque é mais velha, porque não podes estar sempre em cima, por váras razões. Às vezes esquecemo-nos da idade que elas têm e não pode ser! São bebés grandes! Estão ainda a crescer e perceber quais são os limites, até onde podem ir... E ela sente-te cansada e distante. E o raciocínio dela é: Se a minha mãe não me dá atenção a bem, dá-me a mal! E por isso fazem tantos disparates!
Tenta passar mais tempo com ela. Só com ela! Quando o Ben estiver a dormir por exemplo! Ou sai à rua só com ela, nem que seja só para ir ao super-mercado. Vais ver que a cumplicidade entre vocês cresce, ela sacia a sua vontade de mãe e vai começar a portar-se bem melhor! Uma coisa que aprendi também é, quando chego a casa, antes dos banhos, jantares etc, dar-lhes 15 minutos de atenção só a eles! Mesmo que já seja tarde... Não é por jantarem 15 minutos mais tarde que vão morrer! Eles têm saudades tuas ao fim do dia! 15 minutos são suficientes para os deixar saciados. Outra coisa que faço também é deitar o Vicente mais cedo. Nem que seja 10 ou 20 minutos. É o tempo suficiente para estar só com ela a namorar, a fazer penteados, a falar de coisas pirosas e a dar beijinhos.
Vais ver que ela vai ficar muito melhor! :)
E chega que já escrevi demais.... :P

Beijo enorme e coragem! Tudo se vai resolver!

Kiki disse...

E quanto ao comentário do Anónimo... Não há comentário possível...

Anónimo disse...

Vou ali cortar os pulsos...

Monica disse...

Lamento mas vou ter de perguntar oh anónimo a sabedoria vem de onde????

Sinceramente para escrever isto mais valia nem sequer visitar o blog.

Santa estupidez...

Maria João disse...

Anónimos whatever...A todas as outras obrigada. Mesmo. Kiki tudo o que disseste é tão verdade...Para mim é um bocado impossivel sair de casa só com a Mia, pois, se assim fosse, não passavamos tempo absolutamente nenhum os quatro, mas sabes que sinto muito a falta de fazer isso. A verdade é que os momentos em que estamos quase só as 2 é quando a vou buscar à creche. Ela vem a andar e ainda são uns bons 30 minutos que demoramos a chegar a casa e o Ben vem na cadeirinha. A verdade é que nessa meia hora não há birras, nem desobediências e falamos, falamos e falamos...Obrigada pelos conselhos e pelas palavras. Vou sem dúvida tentar fazer mais coisas com ela.
Bjinhos.

Kiki disse...

:))) Obrigada pela mensagem que lá deixaste!
Revejo-me nas coisas que descreves! Por isso compreendo tão bem o que estás a passar! Os nossos babies têm a mesma diferença de idades e por isso, partilhamos tantas experiências! :)
Beijo grande e bom descanso! ;))

Full-time Mom disse...

Posso juntar-me ao teu clube e da Kiki? Ela tem razão, às vezes o cansaço e o stress apodera-se de nós e quem leva por tabela é quem menos tem culpa... Mas nada que um pouquinho mais de atençao não resolva. Um beijinho

Concordo com o anónimo na parte que diz que vai cortar os pulsos. Força aí!!! Corta em cruz!!! :D

Aline disse...

Olha Mª João, talvez seja precipitado da minha parte mas estás completamente errada. Tenho a certeza que fazes os possíveis e os impossíveis para "chegar a todo o lado", tens 2 filhos e ainda trabalhas fora, numa profissão que exige muito de ti. A Mia está na fase do Martim. E não é por isso que eu ache que estou a falhar. O Martim é super meigo e educado, pede desculpa, é carinhoso. Mas também tem atitudes que não tinha há umas semanas. Grita quando quer alguma coisa, faz birras. Coisa que não fazia. Também sei que tenho passado pouco tempo em casa, tenho trabalhado muito, mas também sei que é o desafiar do adulto e a marcação da personalidade dele. Ele tenha ter o que quer.
Quando se tem 2 filhos com pouca diferença de idades, como é o teu caso, o caso ainda complica mais porque aí, a criança mais velha não tem a atenção que gostaria e os pais sabem que não devem ceder aos caprichos dela (claro que estou a falar de pessoas sensatas). Essa parte, eu não posso comparar com a minha vida, mas comparo-a com centenas de miúdos que frequentam a escola. É normal. Claro que o sentimento de culpa (e ainda mais quando se fala dos nossos filhos) é horrível. E esses "ataques" de culpabilização da nossa parte também são saudáveis. Fazem-nos repensar nalgumas estratégias que não estão a resultar mas que para outras pessoas resultam.
Desculpa o testamento e a receita milagrosa (que não é receita). É apenas outro ponto de vista. Beijinhos grandes

Aline disse...

Fiz um post (também) sobre este teu e sobre a tua preocupação. espero que não leves a mal. beijinhos

Erika Melo disse...

Olá Maria :)

Estou a realizar um estudo universitário sobre compras online de Produtos de Estilo de Vida Familiar (ex. alimentação, bebidas e tabaco; animais jardim e bricolage; bebés e brinquedos e artigos de casa, arte e decoração).
Deixo o link do questionário para quem faça compras online destes produtos e queira ajudar no estudo
https://docs.google.com/spreadsheet/viewform?formkey=dEJ5NXpkaVBCLWNoUHRBdTUyVVh6WlE6MQ

Estamos a oferecer um bilhete de cinema na compra de outro para os cinemas ZON Lusomundo, de 2a a 6a feira, até dia 3 de Abril de 2012.

O questionário é anónimo e confidencial e apenas se pede o e-mail a quem queira usufruir da promoção (opcional).

Muito obrigada pela colaboração!