quinta-feira, 5 de maio de 2011

Amamentação

Ora aqui está um tema que me causa algum medo! A minha experiência com a Mia não foi das melhores. Amamentei cerca de 2 meses, sem ser em exclusivo, tive uma mastite, mamilos em sangue, muitas dores...A Mia mamava praticamente de hora a hora, não fazia uma boa prega... Enfim, não foi uma boa experiência. Mesmo com dores continuei a amamentar, ou a tirar o leite com a bomba; tive um apoio excelente do meu marido, mas acho que se tivesse recorrido a um grupo de apoio à amamentação me teria ajudado bastante.
Portanto, com o Ben espero mesmo conseguir amamentar com menos dificuldade. Ou, pelo menos, espero conseguir contornar as dificuldades que forem surgindo. A teoria eu sei-a bem, acreditem que sim, pois trabalhei em obstetricia, mas a prática é bastante diferente. Portanto, meninas com boas (ou mesmo más) experiências, dêm lá umas dicas ok??

7 comentários:

Baunilha disse...

olá! eu por acaso tive uma optima experiencia com o primeiro, tudo correu perfeitamente! com teoria ou sem teoria, fiz sempre de acordo com a minha intuição e à minha maneira... durou até aos 11 meses, quando um dia em disse "ja chega" e tenho a certeza que o meu filho concordou, pois nunca mais procurou a mama...
Agora tenho medo, pavor, que do segundo não corra bem... nunca se sabe! é levarmos com calma e pronto, e como dizes e bem, tentar resolver logo, de inicio qualquer complicação que surja.

Maria João disse...

Baunilha, vai correr bem com este bebé de certeza!! Eu tive muitas dificulades. Pensei mesmo que fosse mais simples. A Mia também não ajudou muito (digo eu), pois não foi uma bebé fácil. Mas enfim, espero que agora seja diferente!!
Bjinhos!

T zero disse...

Eu senpre tive alguma tendência para criar caroços, apesar da boa pega - e sofri bastante por causa deles... Não sei se era por o João ser um comilão (ptt o meu corpo precisava de produzir rios de leite e mesmo assim, por vezes tinha que que suplementar à noite) e eu, em contrapartida, ter um peito pequeno.
O Ben e a Mia são diferentes e pode ser que ele pegue bem, logo à primeira. Com o João foi assim. Depois, na segunda semana, lembrou-se de começar a agarrar a maminha muito mal e eu não dei tréguas podia demorar 5 ou 10 minutos, com ele a chorar porque estava com fome... mas só quando pegava bem é que podia mamar.
E para evitar caroços, punha-o a mamar em diferentes posições, mas isso tu deves saber melhor do que eu, né? :)

Marina disse...

Sabes, acho que o medo que sentes é meio caminho andado para que corra melhor que da Mia.
No meu caso, quando foi do Manuel, eu achava que seria uma coisa natural e era um assunto que não me preocupava nada. Eu queria e achava que ía ser fácil. Tinha a informação, sempre li muito, fui a uma sessão de esclarecimento, etc., mas não tinha a determinação nem a mentalização necessárias. E correu mal, principalmente por minha culpa. Desta vez, com a Carmo, decidi e mentalizei-me que ía conseguir e ía vencer todas as dificuldades, que ía aceitar ajuda em casa para estar disponível para amamentar e que ía seguir à risca todos os conselhos do nosso pediatra (coisas que não fiz anteriormente). E resultou. Custou, foi difícil, isso não nego, mas consegui amamentá-la em exclusivo até aos 6 meses e continuo a dar de mamar sempre que ela quer. O regime de livre demanda é importantíssimo, às vezes é de hora a hora, às vezes lá aguentam mais um pouco, mas aos 2-3 meses na pior das hipóteses já espaçam mais as mamadas e a coisa regulariza. Mastites nunca tive, às vezes quando sentia o peito a ficar desconfortável punha-a a mamar mesmo que ela não desse sinais de fome e lá descomprimia um pouco. :)
Por isso, cara amiga, determinação é a palavra-chave. Ainda no outro dia ouvi um programa na rádio em que uma médica dizia que "quem quer, consegue e que às vezes as pessoas dizem que querem, mas não querem verdadeiramente e por isso não conseguem".
Beijinhos e se precisares de alguma coisa: marinapires79@hotmail.com

Aline disse...

Tive uma experiência não muito boa mas consegui amamentar até aos quase 14 meses. Além de mastites, o Martim tb fazia má pega (aliás, penso que o fracasso da amamentação em quase todos os casos é mesmo a má pega). Mas tentei de tudo para aguentar mas não foi fácil. Hoje, não sei se teria insistido tanto. O Martim tb mamava de 2 em 2 horas. Era complicado.
Para prevenir as mastites e os mamilos gretados, li que as maminhas têm de andar ao léu (em casa, claro) e quando o bebé acaba de mamar,o melhor bálsamo para não gretar é passar um pouco de leite pelo mamilo, depois do bebé mamar. Quanto às mastites, penso que o segredo tb é retirar o excesso com uma bomba,ou seja, o que o bebé não mamou. Confesso que não fazia isso. E até tirar leite com a bomba para mim era penoso. Comprei uma bomba eléctrica para estimular a produção de leite. Mas odiava. Enfim. A mim, sempre doeu. Não foi só a fase inicial. Mas cada caso é um caso e cada gravidez também. Pensa positivo. Não há dúvidas que é o melhor leite para eles. Mas se não amamentares, tb não é nenhum drama. Cheguei a recorrer ao Cantinho da Amamentação do hospital. Aconselham.Mas as teorias, sabe-las melhor do que eu.
Boa sorte e beijinhos

disse...

Os bebés são todos diferentes, mesmo filhos dos mesmos pais, uns parece que não querem a maminha nem com bicos de silicone (a minha 1ª), outros parece que já vem ensinados e com apenas horas/minutos de vida agarram o peito e tudo corre sempre bem (o meu 2º e a 3ª).É da natureza de cada bebé.
Com a minha 3ª também chego à conclusão que a amamentação se torna um problema não só qdo eles não querem mamar (qdo nascem) mas tb e bastante complicado de resolver, qdo atingem uma certa idade, já são crescidinhos, comem um pouco de tudo mas continuam agarrados à mama.
Espero que com o bebé Ben corra tudo bem! Gosto do nome ;)
Bjs

Pinguina disse...

Como aqui já disseram cada caso é um caso. O início da amamentação com a Joana não foi fácil,nada mesmo e tal como outras mães também tive muitos problemas. Nas primeiras 4 semanas tivemos que lhe dar suplemento mas depois mamou em exclusivo até aos 7 meses e já a comer outras coisas até aos 15 meses.Só deixei porque com a
2ª gravidez o peito começou a doer-me quando ela mamava. O que foi um início difícil tornou-se num final feliz :o Tive imensa ajuda do meu marido e da parteira que vinha cá a casa todos os dias nas primeiras semanas. Do Manel ao princípio não foi fácil mas foi menos complicado contudo ele é mais exigente a mamar.
Acho que acima de tudo é preciso mantar a calma, não nos sentirmos sobre pressão (se funcionar maravilha senão há outras soluções)e ter muita paciênca.
Vai correr tudo bem!!