terça-feira, 7 de julho de 2009

Coração mais desapertado...

Andava com o meu coração apertadinho, apertadinho, apertadinho...Como sabem não vivo em Portugal, mas sim em Dublin, na Irlanda. Ora se há desvantagens em viver fora do nosso país, também há algumas vantagens, como por exemplo no que toca à licença de maternidade:6 meses e meio totalmente pagos, hipótese de mais 4 meses não pagos e direito a mais 14 semanas (que no meu caso como trabalho no mesmo sitio que o meu marido irão ser repartidas pela mãe e pelo pai) até a criança ter 8 anos. Óptimo, não é? Pois, a minha licença de maternidade (os 6 meses e meio) acaba no inicio de Outubro e já andava aqui a ver creches para a minha bebé. E se há coisa que aqui não falta são creches, pois aqui há mais criançada que sei lá bem o quê, então na minha zona de certeza que não há uma casa que não tenha uma criança, de maneira que só perto da minha casa tenho no minimo 3 creches. O problema? Para além de serem muito, muito caras, abrem às 7h30 e fecham às 18h30. Pois, eu e o meu marido começamos a trabalhar às 7h30 e saímos às 20h30. Creche fora de hipótese! Comecei a ver babysitters. A maioria com óptimas referências, estudos e etc...Preço: 10 euros por hora!! Ora 14 horas por dia, façam as contas. Mas no fim desta conversa toda o que mesmo me estava a deixar angustiada era ter de deixar a minha bebé de 6 meses com uma estranha, com uma pessoa que não conheço de lado nenhum, que não conhece a minha filha, nem os seus hábitos, nem o que ela gosta ou não. Isto sim, estava a deixar-me com o coração apertadinho. Uma creche ainda era menos mal e até seria bom na medida em que aprendia mais rapidamente o Inglês, é bom conviver, para as rotinas e assim. Mas aos 6 meses, na minha opinião, é muito cedo.
Solução: resolvemos que vou tirar mais 4 meses de licença, ou seja, irei ficar em casa até ao fim de Janeiro:) Tirou-me um peso tão grande de cima que não imaginam. Vão ser 4 meses em que o cinto vai ter de ser apertado, sem dúvida, mas o dinheiro não é tudo e foi,sem dúvida alguma, a decisão mais acertada.
Assim o meu coração está muito, mas muito mais desapertado:)

8 comentários:

Sónia Alexandra disse...

Maria de facto era dessas leis que o nosso país precisava, Quando o meu Tiago tinha 5 meses, porque guardei férias para depois do nascimento, aqui a licença é de apenas 4 meses, ou 5 com o vencimento a 8o%, ou seja não recebemos um mês. E eu não ganho assim tanto, e ainda menos o meu marido que me pudesse dar ao luxo de ficar um mês sem vencimento. Por isso, o meu pequeno foi para uma ama aos 5 meses, mas uma pessoa conhecida e que o tratava lindamente. Ele estava bbem entregue e eu dscansadam embora as saudades ao longo do dia apertassem de uma forma dolorosa.
Mas depois aos 15 meses foi para a creche e tornou-se um menino muito extrovertido e muito sociável...segundo a professora é um menino que não dá problemas, aprende facilmente, e "despe a camisa" para ajudar o amigo...nesse aspecto é o meu feitio, por vezes também este feitio também nos traz dissaboers, mas dar ao próximo faz-nos completos.
Amiga mas acho, que no teu caso , a melhor solução foi mesmo essa, afinal, não tens aí família e deixara a nossa Mia, com alguém que não conhecemos bem. Por muito boa ama que seja, nada é como a nossas mãezinha.
Beijinhos doces às duas.

carmo pinto disse...

realmente ai muita coisa compença em relação a licença...nós por aqui tb já melhoramos alguma coisinha...
mas nada se compara com ai e em alguns paises...
ainda bem que asim escolheram...com amor carinho e saude tudo se consegue...
jinhos

Sandra e Dinis disse...

Acho que fizeste a opção certa!!!

Eu deixei o meu com 8 meses e foi horrivel! Passado 6 meses fiquei em casa e ainda estou por opção e com a carteira mais leve, mas acredita que foi a melhor coisa que fiz! Ele está super desenvolvido para a idade dele, claro que há coisas más, como o muito mimo que ele tem, mas não se pode ter tudo não é!

Um bj

Helena disse...

Minha querida esse sentimento é comum a todas as mamãs, acredita que é a coisa que mais custa fazer. Na primeira semana eu passava o tempo todo a chorar com saudades. Custa muito termos que deixar os nossos tesouros com pessoas que não conhecemos, sejam amas ou nas creches. Fica sempre a dúvida se serão bem tratados se lhes dão mimos, etc. Ainda bem que por aí têm essa possibilidade e assim a Mia só irá para o infantário mais velhinha. Mas querida acredita que te vai custar mais a ti do que a ela. Não podes pedir uma redução de horário? É que 14 horas por dia é dose.

Bjocas

Kella disse...

Olá, cheguei aqui hoje e estou a gostar!
Também já vivi na Irlanda, mas em Limerick City, sou casada com um Irishman e temos 3 filhos!
Tens razão em tudo o que dizes neste post!
Acho que ficares em casa mais 4 meses é uma óptima escolha!
Cumprimentos

Kella

Medeia disse...

Olá Maria. Sou Portuguesa e vou seguindo o teu blog, porque acho as receitas, no mínimo, gulosas:) Mas, de resto, queria só deixar os meus Parabéns por uma filhota tão bonita! Maiores felicidades e vai postando receitas que eu e a cozinha não nos damos muito bem:)

Martuxa disse...

Parabéns pelos 3 meses da Mia :)
Beijinhos da mamã e da Beatriz.

Tânia Saj disse...

Acho que todo mundo que é mãe (pelo menos de primeira viagem!) tem o sentimento que estás tendo, Maria.
Que bom que onde vives a licença é bem ampla.
Com o coração mais sossegado terás tempo para estudar outras alternativas, que certamente vão aparecer.
A Mia está cada dia mais linda!
Beijinhosssss